Chamadas

Chamadas – o centro das apresentações e websites

Lembre-se, você tem apenas cinco segundos para pescar a atenção do prospect. Se você não atuar nesse tempo, o perderá para sempre. Aí entram as chamadas.

Segundo David Ogilvy, uma das lendas da publicidade, a chamada é a parte mais importante na propaganda. Em média, cinco vezes mais pessoas leem o título, em comparação com o restante do texto.

Com sua chamada, seu cliente essencialmente gasta 80 cêntimos de cada euro.

Usando a mesma lógica, você poderia gastar 80% do tempo redigindo um título e não seria um mau gasto. Essa é a importância da chamada.

Use sua chamada para focar em uma audiência específica. Em outras palavras, grandes títulos têm efeitos positivos e negativos. Eles atraem o alvo e deixam o restante do mundo saber que a mensagem não é para ele.

O propósito da chamada, dizem especialistas, é levar o prospect a ler o texto. Mas isso não é totalmente verdade. Se fosse, quase todo título ultrajante o faria.

Grandes chamadas fazem mais do que isso. Elas atraem a atenção. Elas criam curiosidade. Elas também podem levar o leitor a ler a apresentação ou seu site com algumas expectativas emocionais…

Construindo uma chamada poderosa e instigante

Uma das mais antigas ideias sobre chamadas é que elas têm de ser curtas – menos de oito palavras. Essa lógica fará com que uma mensagem poderosa seja passada em segundos – o tempo que seu lead ou usuário gasta, em média, com você. Depois disso ele avança ou desiste. A maioria das chamadas, por essa razão, utiliza uma linguagem  de vendas direta. Coisas como:

  • Comeu?
  • Desvende o segredo de Wall Street!
  • A Guerra do Petróleo está a chegar!
  • Não mais apenas para milionários
  • A maior oportunidade de todos os tempos

Então, o que concluímos disso? Embora haja uma série de exceções, parece claro que a brevidade é uma virtude em chamadas.

O que há de tão bom nisso? Vamos começar com o óbvio. Chamadas curtas são fáceis de assimilar. Com 5 ou 6 palavras, impressas em letras garrafais no topo de uma carta ou email, o leitor não tem como evitar. O poder de captura é de quase 100%.

Há um contraste com chamadas de um parágrafo. Elas podem funcionar muito bem, mas apenas após um número significativo de prospects se livrar delas ou deletá-las, porque:

  • Perceberam que é publicitário e,
  • Tomaram uma decisão instantânea de que não têm 15 ou 20 segundos para ler.

Isso nunca ocorre com uma chamada curta.

Contudo, ter uma chamada lida não garante o sucesso. A menos que sua chamada diga algo que esteja ligado à grande ideia da promoção, que seja curioso, que leve a um benefício, ela terminará também na lixeira – alguns segundos depois apenas.

Grandes chamadas são um ponto de virada. Elas trazem pensamentos ousados, sentimentos, crenças que geram sensações em um grupo de pessoas, a respeito de alguma coisa em particular.

O segredo dos quatro U’s

Os quatro U’s descrevem partes críticas que podem potencializar chamadas de apresentações e websites, assim como subtítulos e também calls to action.

É como uma vitamina para textos. Você os usa e, de repente, sua chamada está mais poderosa, forte e tem mais energia. As coisas começam a funcionar melhor para você.

Quais são os quatro U’s? Vamos ver…

URGÊNCIA

A chamada deve dar ao prospect uma razão para desejar um benefício o quanto antes possível

UTILIDADE

Uma chamada deve comunicar algo que tenha valor para o prospect

ÚNICO

A chamada deve sugerir que o que está sendo ofertado é, de algum modo, diferente de tudo mais. Todos os argumentos devem estar unicamente associados a certo produto ou serviço

ULTRA ESPECÍFICO

Coisas vagas devem ser evitadas a todo custo. O prospect precisa saber que benefícios específicos foram reservados a ele

Esse segredo é simples. Quando postos juntos, os quatro pescam o interesse do prospect, atiçando ele com um benefício, estabelecendo credibilidade e chamando ele para ler. Sempre que você tiver uma chamada fraca, que precise de um tapa, você pode aplicar a fórmula dos 4 U’s para instantaneamente fortalecê-la. Na verdade, quando você aplica os 4 U’s, sua chamada não apenas chamará a atenção, mas também irá desempenhar várias outras funções…

O que mais uma chamada pode fazer?

Ela pode…

  • Pescar a atenção do prospect
  • Focar em seu prospect, dizendo algo relevante para ele
  • Despertar a curiosidade
  • Fazer uma promessa
  • Introduzir uma ideia instigante
  • Fazer uma oferta
  • Desafiar o prospect

Agora que eu disse a você o que os 4 U’s podem fazerr, deixe-me dizer duas coisas que elas não permitem que você faça…

O que uma chamada JAMAIS deve fazer

Dizer algo comum ou convencional. Porque se o seu prospect pode adivinhar onde você vai, ele irá economizar seu tempo e parar de ler. Enganar ou ludibriar o prospect. Se você faz uma promessa na chamada e nunca a prova em seu texto, você não apenas irá perder a confiança do leitor, mas também a venda. Pegou? Quando você usa os 4 U’s, você não somente sabe em que direção deve seguir, mas também se protege de quedas de percurso. Agora que já falamos sobre isso… vamos ver como eles funcionam no mundo do marketing direto.

Outra simples abordagem

Outra maneira de causar impacto direto com sua chamada é por meio de números. Eis três exemplos:

7 RAZÕES PELAS QUAIS VOCÊ FARÁ MAIS DINHEIRO INVESTINDO EM EMPRESAS DE TELECOM

6 PASSOS SIMPLES PARA MELHORAR A SAÚDE

8 MANEIRAS DE DERROTAR FISCAIS DA RECEITA

Quando você usa números específicos, fica mais fácil para o prospect ver o que está acontecendo e porque ele deveria ler. Então, não se esqueça de adicionar números quando for possível. Os número estão associados a muitos gatilhos que acionam nosso subconsciente. Em alguns casos, eles trazem a sensação de precisão e autoridade, em outros casos oferecem uma noção clara do que esperar, como nos citados acima.

Fique connosco nos próximos posts, pois iremos ainda mais fundo na arte de preparar títulos e chamadas e falaremos como usar dos chamados gatilhos mentais em suas apresentações, websites e textos de vendas.

 

Faces da moeda

Sites e apresentações – duas faces da mesma moeda

Aqueles sites tradicionais, no melhor estilo “corporativo”, com os menus e itens previsíveis do tipo “quem somos”, “nossa equipa”, “contacto” e o que mais o valha estão em baixa. Muitos argumentarão que eles ainda existem dessa forma, porém a grande verdade é que o comportamento do leitor e usuário da web mudou diametralmente. As redes sociais, nas quais o leitor “rola” timelines para baixo, somado à facilidade desse movimento no celular, fizeram com que as pessoas deixassem de procurar aqui e acolá em menus.

Se pensarmos de modo prático, os sites de referência hoje se parecem mais com apresentações ou folders do que com catálogo, livros ou diretórios empresariais. A razão para migrar para esse tipo de padrão é simples: as pessoas leem mais. Pense no seu próprio comportamento: se você clica num menu ou submenu no site de uma empresa e não encontra o que procurava, continua a clicar? Não… você desiste e procura alhures.

Muitas empresas ainda remam contra a maré, querendo meter tudo e mais um pouco em termos de “informação”. Porém, de nada adianta quando ninguém a está lendo…

O conceito “one page”

O conceito de “one page”, ou página única, imita ao mesmo tempo a lógica de cartas de venda e páginas de venda mais objetiva de produtos. Ao mesmo tempo, apropria-se da lógica de timeline das redes sociais. Basta lembrar: todas elas funcionam dessa forma, principalmente visando o leitor e usuário em telemóveis. Facebook, Twitter, Instagram, até mesmo o LinkedIn mudou para obedecer a tal lógica.

Mas, fugindo da tendência, pensemos agora como clientes. Não se trata apenas de moda, ou mesmo de aparência, e sim do modo com que lemos e percebemos a informação no meio online. Afinal, de contas:

  • Uma única página segue um roteiro, uma história… e é assim que absorvemos melhor a informação.
  • Uma única página dá destaque para alguns pontos… e, do modo antigo, dávamos destaque a tudo, ou seja, a nada.
  • Uma única página torna a interação mais rápida… e isso aponta para mais conversões.
  • Uma única página reduz o índice de bounce… e encoraja melhor o compartilhamento.
  • Uma única página beneficia a visualização em qualquer dispositivo… de telemóveis a televisores.

Deixando o leitor “descobrir” coisas

Claro, mais páginas e informações podem estar relacionadas a essa primeira página. Mas quer saber? O seu leitor precisa DESCOBRIR tudo isso. A sensação de recompensa quando estamos navegando e nos deparamos com um relatório, um ebook gratuito, um brinde… é muito maior.

Descoberta

Sites com muitas páginas e menus privam o leitor da descoberta.

Imagine-se contando uma história. A cada pergunta de seus ouvintes, você oferece um desdobramento, uma nova trama, introduz um personagem diferente. Assim tem de ser um site, e também uma apresentação. A sequência narrativa, o storytelling, são completamente apagados em websites muito subdivididos. O leitor, como resultado, perde o interesse ou frustra-se na primeira ocasião em que não encontra algo que esperava encontrar.

Rapidez, dinamismo e preço

Exato, quando você centra suas atenções em uma única página, é obrigado a priorizar. A prioridade leva a projetos e a um desenvolvimento mais rápidos. Sites podem ser montados, literalmente, em questão de dias. Do mesmo modo, é possível alterar completamente sua abordagem de forma simples (veremos mais adiante como isso pode ser útil em termos de marketing). Finalmente, tudo isso reduz os gastos com desenvolvimento e manutenção – sites tornam-se projetos baratos, e podem ser constantemente atualizados.

 

Seu site está defasado?

E os orçamentos estão nas alturas?

Fale connosco, clicando aqui ao lado. A MeuPPT é especializada em apresentações, e-books, mas também cria sites e landing pages rapidamente, sem criar mais dificuldades do que facilidades.

Contacto