“Sistemas próprios” para websites – cuidado

Há imensas maneiras de se construir um website nos dias de hoje. A mais utilizada, sem dúvida, é a aplicação dos chamados CMS – Content Management Systems. O mais popular deles, de forma disparada, é o WordPress.

O WordPress é um sistema construído a partir do PHP, como o Drupal, o Joomla e o Moodle. Estima-se que mais de metade dos websites no mundo hoje utilizem o WordPress como base. A despeito de vantagens e desvantagens existentes na plataforma, não há dúvidas de que, dentro da comunidade de informáticos, o WordPress é o sistema que mais possui profissionais capacitados, ferramentas e plugins disponíveis – gratuitamente e de forma paga.



Teoria conspiratória

Em Portugal, mas também em outros países, uma legião de agências e informáticos depõem contra o uso do WordPress na construção de websites e sistemas. Segundo eles, há vários motivos para não usar a ferramenta. O mais apontado é em geral a segurança, mas falam também em “problemas” na gestão, falta de possibilidades de customização e, agora com o RGPD, não alinhamento com as requisições legais. Em resumo, podemos trabalhar isto em tópicos:

  1. O WordPress é uma plataforma em constante desenvolvimento por uma comunidade de centenas de milhares de desenvolvedores em todo o mundo há 15 anos. Nestes anos, melhorias de segurança, aprimoramentos da plataforma e atualizações em relação a novas versões do PHP, do Apache e requisições do mercado têm ocorrido de forma semanal, senão diária.
  2. O WordPress é MAIS SEGURO do que qualquer outra solução construída por agências e websites ditos “de raiz”. Todas as maiores soluções de segurança digital no mundo possuem ferramentas e integrações para o WordPress, o que não ocorre nas soluções próprias.
  3. Com o seu código TOTALMENTE ABERTO, o WordPress é mais customizável do que qualquer outra plataforma. A customização pode tanto ocorrer a nível programático, realizada por web designers e desenvolvedores, quanto com o uso de temas e plugins gratuitos ou pagos – e isto pode ser feito pelos proprietários do site, mesmo sem conhecimento técnico (e isso JAMAIS ocorre com websites “de raiz”).
  4. Como é usada e livre para modificações, a plataforma é de conhecimento da grande maioria dos informáticos que atuam com o PHP e de web designers em geral. Em outras palavras, o proprietário do site não fica REFÉM de uma agência ou de desenvolvedores.
  5. O backoffice atual é resultado de 15 anos de estudos e melhorias realizadas a partir de solicitações e observações dos próprios usuários – deste modo é dispensável falar que oferecerá sempre uma solução mais amigável do que qualquer backoffice desenvolvido “à medida”. Além disso, o backoffice também possui código aberto e poderá sempre ser modificado.
  6. As possibilidades do WordPress vão muito além da construção de simples blogues e websites – pode-se hoje desenvolver lojas online, plataformas de ensino, sistemas de integração com plataformas de faturação e CRM e tudo mais que se possa querer.

O uso do WordPress é um benchmark mundial. Grandes marcas possuem lojas na plataforma. Entidades governamentais, como a Casa Branca americana, utilizam-se do sistema. Aparentemente, se há problemas de segurança tão graves, só há duas possibilidades aqui: ou o informático da agência ali ao lado está errado, ou ele saberá mais do que a grande maioria dos experts mundiais em segurança digital.

Falta de transparência

Não há mal nenhum em um informático preferir outra solução que não o WordPress para o desenvolvimento de sites e ferramentas para os seus clientes. O problema começa quando há falta de transparência e desvios de conduta da parte do profissional. Desconfie dos profissionais dispostos a criticar plataformas que tenham virado referência de mercado. A referência de mercado garante boa assistência, facilidade de uso e manutenção e profissionais capacitados. Então, por que há informáticos a dizer o contrário? Bem, há três razões principais:

  1. Muitas das empresas e agências possuem convénios com soluções ou sistemas “prontos” para websites. Basta ver que, em muitos dos portfólios dessas agências, todos os sites têm basicamente a mesma cara.
  2. Apesar de ser uma plataforma mundialmente reconhecida e de código aberto em PHP, exige conhecimentos de programação em PHP e do manual técnico do WordPress – e nem toda a gente possui tal know-how.
  3. A sua empresa poderá tornar-se uma fonte de avenças infinitas para essas agências, caso venha a desenvolver um site “de raiz” nas soluções proprietárias dessas empresas. Ou seja, um novo REFÉM.

Como ocorre em outras áreas de conhecimento, a informática possui sempre novidades a aparecer. Fechar os olhos para o novo é burrice, mas ao mesmo tempo, negar aquilo que é o ponto pacífico entre especialistas do mundo inteiro será uma burrice ainda maior. Pode-se sempre, é claro, ainda optar por soluções de raiz, mas antes de embarcar numa delas, vale perguntar a si mesmo: será o meu informático melhor do que cem mil outros que estão a dizer o oposto?